Pular para o conteúdo principal

Descendencia real - Bonfim de Feira

SUPER quando o vi lembre do meu amigo Super-Afro

 tenho sentido que cada dia mais o muro do graffiti se torna uma espécie de roda de capoeira, unindo pessoas em torno, de um birimbau  ficticio tocado por pessoas, que vivem esse jogo diariamente, mas não meramente pra admirar mais também pra aprender, bastante coisa, outra coisa que venho percebendo é que o graffiti é pra homem, menino. Menina e mulher, velho novo, pessoas de rua, usuários de droga, senhoras, travestis, putas, pescadores, empresários, ricos e pobres, então quando fomos chamados a Bonfim de feira junto a Bigod fomos conversando que o graffiti aquele dia devia ser recheado de bons ensinamentos, ai decidimos alem simplesmente pintar, mais sim injetar animo ao ego deles com um ato de coroar sentados em um trono feito por eles, com um único critério  antes teriam que entender as palavras em cima do trono descendência real, o que é descendência segundo o dicionário : Relação de parentesco que se estabelece através da proveniência de um antepassado comum. mas a capoeira nos ensinou diferente la na roda do mestre zambi. nos ensinou que eramos reis

Diariamente a palavra escravo vem associada a nossa descendência, mais temos que bater em outra tecla a tecla de que a nossa descendência africana é real e guerreira, por isso antes de sentar no trono tinha que saber isso, e assim foi o dia aqui algumas fotos do graffiti dos moleques, dos reis, um pouco da vida do lugar.


Bonfim de Feira é um distrito do município de Feira de Santana, na Bahia.
Os registros indicam o povoamento no distrito de Bonfim de Feira desde 1783 quando houve a doação de um terreno para construção da Igreja Senhor do Bonfim.
Até 1943 o distrito era denominado Itacuruçá.[1]
O distrito está situado a 31 quilômetros da sede de Feira de Santana, entre a região do recôncavo e do sertão baiano. É cortado pelo Rio Ribeirão do Cavaco que deságua no Rio Jacuípe e por mais dois rios secundários – o Riacho da Mussuca e do Cabano.
 o que o wikpedia não diz é que la a religião africana é muito forte, e o samba também, a maioria das pessoas são negras, os costumes por ser afastado de feira, são muito preservados, as lideres negras do lugar seguram as suas raizes que com certeza são reais

 cavaleiros de um reino distante


a princesa calada e sorridente



 Todo menino é um rei
Eu também já fui rei
Mas quá!
Despertei!

Todo menino é um rei
Eu também já fui rei
Mas quá!
Despertei!

Por cima do mar da ilusão
Eu naveguei! Só em vão
Não encontrei
O amor que eu sonhei
Nos meus tempos de menino
Porém menino sonha demais
Menino sonha com coisas
Que a gente cresce e não vê jamais

Todo menino é um rei
Eu também já fui rei
Mas quá!
Despertei!
  


Valeu cuelho e Milena e toda galera de feira de Santana
Valeu também a acolhida na cidade.

Texto e fotos julio Costa
veja outro ensaio desta mesma serie em outra cidade

Postagens mais visitadas deste blog

Expo Fernando Borges

relatos de Fernando Borges enquanto foi hospedado no MUSASDepois de mais um ano de trabalho em São Paulo, chegam minhas férias e tudo que eu queria era um lugar tranquilo. Tudo acertado pra passar 30 dias na Chapada Diamantina. ANtes de ir, meu irmão baiano, Eládio Machado, me diz que existe um projeto chamado MUSAS em Salvador, eu que eu deveria ir conhecer. Decidi então, ao invés de chegar em Salvador e pegar um ônibus pra Chapada, ficaria uns 2 dias na capital baiana. Chego e vou direto pro Pelourinho, pra me hospedar num albergue. Depois de um passei pela região e todo barulho que tem em cada esquina, só queria ir embora da cidade. A impressão era de que as férias não tinham começado. No dia seguinte, resolvi ir visitar o MUSAS. Não quero me alongar muito, mas pra se ter uma idéia de como fez bem pra mim, acabei ficando 10 dias em Salvador. Além da agradabilíssima companhia de todos do MUSAS, que me adotaram, dia a dia fui me apaixonando pelo lugar, que tem talvez uma das vistas …

A Sereia que nada por Salvador

Quando eu morrer
Voltarei para buscar os instantes
Que não vivi junto ao mar
Nhem-nhem-nhem
Nhem-nhem-nhem
Ô xoronddô É o mar,é o mar
Fé-fé xorondô. (Vinicius de Moraes)
Pra quem nasceu a beira mar ,  criado no cheiro da maresia todo dia, e nos mariscos como sabor constante,para aqueles que quando filhotes  de ser humano esse nosso povo podre bebeu água sem querer sabe que  cada onda  tem uma sereia, cada amor um sal na boca...  dentro d´agua em rebanhos de sereias sempre penso que ela chega com as mantas de pititinga que me cerca ao mergulhar, as vez nem com a chuva forte e doce me traz o momento de abandonar o beijo salgado.. o povo semi nu deitado no colo dela sabe por causa da musica de todas as sereias nos ouvidos que somos donos da roma negra, na costa do nosso mar a sereia tem vários nomes Dandalunda, Janaína,Marabô,  Princesa de Aiocá Inaê, Sereia, Mucunã Maria, Dona Iemanjá e varias casas, no mês de março ela ta grande, e na lua da pra tirar os frutos de dentro dela... tão triste ver co…

Dia 23 de setembro impressões Julio Costa

Fim de linha da Massaranduba.

O nosso povo passa fome e eles com o malote, escutando raiz irredutível, no evento do fim de linha de massaranduba  Thais pensou que essa frase era diferente, nosso povo passa fome  e eles comem ”A LOT” ou seja eles comem tudo, eles quem? ,me perguntava eles quem? Já que nessa oração sabíamos bem quem era o povo e quem passava fome, mais quem comi tudo, quando soubermos e dissermos a todos quem come tudo acredito que algo ira acontecer, fim de linha fim do regime, logo contaremos essa historia, um bando de meninos homens dançando e celebrando a vida,  negros na sua maioria, como é comum só se vê na Bahia, só se vê  no brasil, só se vê na Africa, os exemplos de cada um  fazendo seu movimento em prol do que acredita, fortes tipicamente, característica da grande comunidade, bonitos de pele limpa, jovens sadios e com muita energia, lideres no que se propõem a fazer,  lindas por todos os cantos, e como é normal fortes, tremi de medo ao pensar na força que contr…