Pular para o conteúdo principal

Um dia no uruguai sobe o olhar de Veronica Lanza


Um telefonema para Julio do celular de Bigod, e peguei o primeiro ônibus
em busca da Rua Uruguay direção Ribeira. Chegando na primeira
indicação do campo de futebol. Não me restava nada mais além de perguntar as outras
varias indicações como o colégio,  
o espaço cultural, o grafiti, "as crianças", e com ajuda dos moradores que gentilmente se alternavam para me levar até os rapazes no campo de futebol e basket onde pintavam um enorme mural.


No primeiro impacto foi difícil entender
quem se divertia mais: as crianças? Julio, Bigod e Prisk? Os pais com
os bebês no pescoço? Os adolescentes que entre um chute na bola, ou
uma cesta de basquete e com duas pedaladas, pararam com a cabeça entre as
nuvens e se sentaram para admirar o final do graffiti. 



Depois dos
primeiro minutos de timidez fui envolvida por um enxame de crianças
curiosas e barulhentas que me acompanharam na grande festa desta tarde
no Uruguay.

 Além de terem me chamado "Tia", escolheram os personagem que
cada um deles gostavam mais, para tirar seus retratos criativos em
frente.  Eles que me repetiam muito orgulhosos,
que tinham pintado o fundo. Ao mesmo tempo que observava Julio que
estava a 6 metros de altura em pé, a corpo teso, em uma escada vacilante
pintava e ria continuamente pelas brincadeiras das crianças, me veio
uma luz.
 
O milagre não é somente uma arte deles, embelezar os muros com desenhos criativos e pensativos, mais é além de tudo dedicar horas e
horas juntos compartilhando e fascinando dezenas e dezenas de moradores
da comunidade que participaram ativamente do espetáculo. Quem quiser ajudar
nos últimos detalhes, quem quiser compartir a sua paixão de
desenhista,
 ensinando fiel mais assustado seu lindo livro de desenhos
ao seu ídolo, Bigod. Quem quiser simplesmente agradecer por dos dias de
trabalho inesquecíveis de 3 rapazes que falam a mesma língua da rua e
da vida deles.



Bigod revive nos olhos deste menino ele mesmo, e pega seu caderno com todos os seus desenhos para dividir com o aspirante a artista junto com
preciosos conselhos. O caderno vem respeitosamente passado de mão em
mão das crianças como um tesouro descoberto. 
A noite escura chega,
quase no esquecimento absoluto, quebrados e silenciosos Julio e Bigod
com a cintas, os materiais e as escadas nas costas vão embora,
fazendo um outro pequeno grande milagre, deixando pra trás deles
somente alegria,harmonia e vontade de viver e criar. Os poucos que
acordaram deste sonho nos seguiram correndo para despedir-se, apertaram
a mão sorridente, "foi um prazer conhecê-la", só que o grande prazer
foi o meu, somente meu.



OBRIGADO,



VERONICA

Todas as fotos e relato Veronica Lanza entre em contato facebook
Confira o seu portifolio clic aqui


Postagens mais visitadas deste blog

Expo Fernando Borges

relatos de Fernando Borges enquanto foi hospedado no MUSASDepois de mais um ano de trabalho em São Paulo, chegam minhas férias e tudo que eu queria era um lugar tranquilo. Tudo acertado pra passar 30 dias na Chapada Diamantina. ANtes de ir, meu irmão baiano, Eládio Machado, me diz que existe um projeto chamado MUSAS em Salvador, eu que eu deveria ir conhecer. Decidi então, ao invés de chegar em Salvador e pegar um ônibus pra Chapada, ficaria uns 2 dias na capital baiana. Chego e vou direto pro Pelourinho, pra me hospedar num albergue. Depois de um passei pela região e todo barulho que tem em cada esquina, só queria ir embora da cidade. A impressão era de que as férias não tinham começado. No dia seguinte, resolvi ir visitar o MUSAS. Não quero me alongar muito, mas pra se ter uma idéia de como fez bem pra mim, acabei ficando 10 dias em Salvador. Além da agradabilíssima companhia de todos do MUSAS, que me adotaram, dia a dia fui me apaixonando pelo lugar, que tem talvez uma das vistas …

A Sereia que nada por Salvador

Quando eu morrer
Voltarei para buscar os instantes
Que não vivi junto ao mar
Nhem-nhem-nhem
Nhem-nhem-nhem
Ô xoronddô É o mar,é o mar
Fé-fé xorondô. (Vinicius de Moraes)
Pra quem nasceu a beira mar ,  criado no cheiro da maresia todo dia, e nos mariscos como sabor constante,para aqueles que quando filhotes  de ser humano esse nosso povo podre bebeu água sem querer sabe que  cada onda  tem uma sereia, cada amor um sal na boca...  dentro d´agua em rebanhos de sereias sempre penso que ela chega com as mantas de pititinga que me cerca ao mergulhar, as vez nem com a chuva forte e doce me traz o momento de abandonar o beijo salgado.. o povo semi nu deitado no colo dela sabe por causa da musica de todas as sereias nos ouvidos que somos donos da roma negra, na costa do nosso mar a sereia tem vários nomes Dandalunda, Janaína,Marabô,  Princesa de Aiocá Inaê, Sereia, Mucunã Maria, Dona Iemanjá e varias casas, no mês de março ela ta grande, e na lua da pra tirar os frutos de dentro dela... tão triste ver co…

Dia 23 de setembro impressões Julio Costa

Fim de linha da Massaranduba.

O nosso povo passa fome e eles com o malote, escutando raiz irredutível, no evento do fim de linha de massaranduba  Thais pensou que essa frase era diferente, nosso povo passa fome  e eles comem ”A LOT” ou seja eles comem tudo, eles quem? ,me perguntava eles quem? Já que nessa oração sabíamos bem quem era o povo e quem passava fome, mais quem comi tudo, quando soubermos e dissermos a todos quem come tudo acredito que algo ira acontecer, fim de linha fim do regime, logo contaremos essa historia, um bando de meninos homens dançando e celebrando a vida,  negros na sua maioria, como é comum só se vê na Bahia, só se vê  no brasil, só se vê na Africa, os exemplos de cada um  fazendo seu movimento em prol do que acredita, fortes tipicamente, característica da grande comunidade, bonitos de pele limpa, jovens sadios e com muita energia, lideres no que se propõem a fazer,  lindas por todos os cantos, e como é normal fortes, tremi de medo ao pensar na força que contr…