Pular para o conteúdo principal

Antonello Veneri um fotografo na preguiça


1. quem é Antonello de onde veio e pra onde vai?
Nasci na Italia e há 4 anos moro no Brasil. Vim para cá porque è o lugar que mais combina com o que eu sou. Não sei para onde eu irei porque estou totalmente sem raizes.


2. Antonello, quando você descobriu a fotografia? Como foi no início?

Sempre gostei de fotografar mas resolvi estudar e me profissionalizar pós uma viagem de barco pela Amazonia uns anos atrás. Vi tantas coisas lindas e só tirei  fotos pesimas. 

3. Como surgiu o projeto de registro da ladeira? Poderia contar alguma história curiosa dessa vivencia?

O projeto surgiu espontaneo. O Flavio Marzadro, artista italiano, 
me levou para là, conheci o trabalho lindo e revolucionario do Marcelo Telles(do Centro Cultural 2Que Ladeira è essa?”) e foi “atropelado” pela criançada brincando na rua. Elas tinham tomado posse da rua apesar dos problemas da comunidade. Coisa rara e linda em ver-se. E comencei a contar o cotidiano desse lugar que fica no centro da cidade e que os baianos não conhecem embora alguns passem por ai. Acabei para conhecer as pessoas, as historias.
Sabe, eu sempre li os livros do Jorge Amando pensando que aquela Bahia de que ele descreve não existe mais ou talvez nunca tinha existida, era folklore. Bom, na Preguiça vi tantos personagens do Amado tornar-se pessoas verdadeiras. Tornar-se vida.

 4. Teve alguma situação difícil de fotografar?
Lembro que o Marcelo logo que cheguei na Preguiça me falou”Você aqui vai ver muitas coisas inusitadas”. Foi assim.
Tenho sempre um grande  respeito para o fotografado, ele nos presenteia com algo que só pertence a ele. Então  as vezes è melhor baixar a camera e guardar apenas uma foto imaginaria.
As vezes tem sitauções  difícil de fotografar mas acho que meu jeito  leve agevole. Sou assim, e depois de um tempo acaba sempre que os fotografados  querem ser fotografados e até me dão dicas. Gosto disso.

5. Recentemente  alguns meios de comunicações mostraram praticamente o mesmo lugar, onde vc mostra a beleza, de forma negativa, qual visão vc acha que é a mais próxima da realidade do lugar, a sua ou a deles?
Cada visão è sempre subjetiva e cada um ve o que quer ver. E mostra o que  quer mostrar. Vejo que a midia, no mundo inteiro, sempre prefere mostrar  o lado sensaciolastico e dramatico das coisas. Te faço um exemplo: Se eu tenho uma foto de uma multidao enorme e pacifica protestando na rua e outra foto de um black bloc quebrando uma loja, com certeza o jornal publicarà a foto do black bloc. A multidão não faz tanto barulho como um cara quebrando. Absurdo né?

Sou fotojornalista e conto apenas a minha visão.  Que instintivamente procura o lado humano, poderoso e positivo das coisas. Obviamente há um lado negativo, dramatico que mostro tambem. Tento ser equilibrado. Aprendi com meu pai

.

6. O que você preparou para essa expo na ladeira da preguiça?
No dia do lançamento vai ter musicas  e varias  intervenções artisticas.
Algumas fotos estarão coladas e espalhadas pelas ruas e becos da Preguiça.


7. Antonello, citando o Caymmi o que è que a Preguiça tem?
A Preguiça rapresenta o que è comunidade em Salvador, com todas as coisas boas e as coisas ruins. Existem dezenas de Preguiças em Salvador, no Brasil. O que há de diferente na Preguiça è que ela fica no centro da cidade, liga a cidade baixa com a cidade alta. Então muitos soteropolitanos de classe media passam pela Preguiça, de carros, com vidros e caras fechadas. Rapidamente. Seria interessante perguntar para eles o que acham desse lugar.

A Preguiça tem o Marcelo, que està revolucionando a comunidade de um jeito aparentemente simplis.  Genial. Abriu um Centro Cultural, criou cursos para crianças e convidou artistas e amigos. Todos eles adoraram e estão contribuindo. O Musas está dando um apoio incrivel. A Preguiça è um lugar onde você chega, fica a vontade e quer disponibilizar logo e de qualquer forma a propria boa energia. Acho incrível isso…

Graças a antonello eu vejo o mundo de outra forma, por um ângulo extremamente diferente , vejo o mundo pelas lentes e olhar de um homen simples, bom e acima de tudo humano. ( Marcelo Telles, diretor o centro cultural que ladeira é essa?)


  Quais seus outros  Projetos?
 tenho dois outros projetos de longo prazo que comencei há uns anos. O primeiro sobre a vida de rua nas principais cidades brasileiras(jà fiz Fortaleza e Salvador), com o segundo "Interiores" capto retrato das familias das comunidades, em casa ,sentados no sofa o na cadeira, á moda antiga. Muita beleza...


pagina do evento qu acontecera no sabado dia 14 de dezembro as 16 horas
https://www.facebook.com/events/1446028082284099/?fref=ts 


para contato an com Antonello Veneri no facebook :
https://www.facebook.com/antonello.veneri

MUSAS

Postagens mais visitadas deste blog

Expo Fernando Borges

relatos de Fernando Borges enquanto foi hospedado no MUSASDepois de mais um ano de trabalho em São Paulo, chegam minhas férias e tudo que eu queria era um lugar tranquilo. Tudo acertado pra passar 30 dias na Chapada Diamantina. ANtes de ir, meu irmão baiano, Eládio Machado, me diz que existe um projeto chamado MUSAS em Salvador, eu que eu deveria ir conhecer. Decidi então, ao invés de chegar em Salvador e pegar um ônibus pra Chapada, ficaria uns 2 dias na capital baiana. Chego e vou direto pro Pelourinho, pra me hospedar num albergue. Depois de um passei pela região e todo barulho que tem em cada esquina, só queria ir embora da cidade. A impressão era de que as férias não tinham começado. No dia seguinte, resolvi ir visitar o MUSAS. Não quero me alongar muito, mas pra se ter uma idéia de como fez bem pra mim, acabei ficando 10 dias em Salvador. Além da agradabilíssima companhia de todos do MUSAS, que me adotaram, dia a dia fui me apaixonando pelo lugar, que tem talvez uma das vistas …

A Sereia que nada por Salvador

Quando eu morrer
Voltarei para buscar os instantes
Que não vivi junto ao mar
Nhem-nhem-nhem
Nhem-nhem-nhem
Ô xoronddô É o mar,é o mar
Fé-fé xorondô. (Vinicius de Moraes)
Pra quem nasceu a beira mar ,  criado no cheiro da maresia todo dia, e nos mariscos como sabor constante,para aqueles que quando filhotes  de ser humano esse nosso povo podre bebeu água sem querer sabe que  cada onda  tem uma sereia, cada amor um sal na boca...  dentro d´agua em rebanhos de sereias sempre penso que ela chega com as mantas de pititinga que me cerca ao mergulhar, as vez nem com a chuva forte e doce me traz o momento de abandonar o beijo salgado.. o povo semi nu deitado no colo dela sabe por causa da musica de todas as sereias nos ouvidos que somos donos da roma negra, na costa do nosso mar a sereia tem vários nomes Dandalunda, Janaína,Marabô,  Princesa de Aiocá Inaê, Sereia, Mucunã Maria, Dona Iemanjá e varias casas, no mês de março ela ta grande, e na lua da pra tirar os frutos de dentro dela... tão triste ver co…

Dia 23 de setembro impressões Julio Costa

Fim de linha da Massaranduba.

O nosso povo passa fome e eles com o malote, escutando raiz irredutível, no evento do fim de linha de massaranduba  Thais pensou que essa frase era diferente, nosso povo passa fome  e eles comem ”A LOT” ou seja eles comem tudo, eles quem? ,me perguntava eles quem? Já que nessa oração sabíamos bem quem era o povo e quem passava fome, mais quem comi tudo, quando soubermos e dissermos a todos quem come tudo acredito que algo ira acontecer, fim de linha fim do regime, logo contaremos essa historia, um bando de meninos homens dançando e celebrando a vida,  negros na sua maioria, como é comum só se vê na Bahia, só se vê  no brasil, só se vê na Africa, os exemplos de cada um  fazendo seu movimento em prol do que acredita, fortes tipicamente, característica da grande comunidade, bonitos de pele limpa, jovens sadios e com muita energia, lideres no que se propõem a fazer,  lindas por todos os cantos, e como é normal fortes, tremi de medo ao pensar na força que contr…