Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Nina Moraes




Qual seu nome?
Nina Moraes


Você é de nasceu onde?
Cidade de Pelotas no Rio Grande do Sul

O que você estava fazendo em salvador?
Há tempos queria conhecer Salvador. A possibilidade surgiu depois de uma temporada de trabalho em São Paulo. Aproveitei que estava pertinho é subi para curtir a cidade. Adorei pintar aí com o mar sempre tão presente.

Fale um pouco sobre o MUSAS?


Soube do projeto antes de chegar em Salvador. Me interessei pela proposta de inserção em uma comunidade local. Ao conhecer pessoalmente todos envolvidos nessa ideia tive a noção real da importância e representatividade artística e social do MUSAS para a cidade.

Vocês fizeram uma exposiçao relampago com a Andrea May  me conta essa experiencia.
Conheci a Andrea May há anos, desde o tempo do fotolog. E por convite dela já havia participado de alguns projetos em Salvador, mas sempre a distância mesmo. O último foi em agosto no Acbeu em um projeto do Coletivo VISIO. Ao chegar em Salvador Andrea fez a ponte com o Ricardo Dantas da "casa branca" onde aconteceu o evento em que eu e a Jamaikah pintamos a fachada. Ela que me falou no MUSAS também. Foi uma ótima oportunidade para conhecer alguns artistas que estão produzindo na cidade. Foi ela também que me falou do MUSAS.

Você pintou junto com sua amiga duas sereias com uma calda só, pode explicar essa obra?
Acho que teve muito a ver com estarmos vivendo aquela experiência juntas. E talvez tenhamos virado um pouco sereias no mar inspirador da Bahia.


Quais outras cidades você esteve nesse tour?
Em dois meses na estrada estive no Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Feira de Santana.


Como é o graffiti em sua cidade?
É bem presente. Vê-se pelas ruas todo tipo de manifestação: graffiti, pixação, street art. Adoro pintar em Porto Alegre. Mas agora que voltei para casa tô vendo muito lixo de propaganda eleitoral que anda apagando pinturas lindas de muita gente por aqui.





Fale um pouco do seu estilo de graffiti.
Pinto principalmente com tinta acrílica, com rolo e pincel. Gosto de fazer personagens de grandes dimensões e com soluções formais que explorem a cor e que a síntese.








Postagens mais visitadas deste blog

Expo Fernando Borges

relatos de Fernando Borges enquanto foi hospedado no MUSASDepois de mais um ano de trabalho em São Paulo, chegam minhas férias e tudo que eu queria era um lugar tranquilo. Tudo acertado pra passar 30 dias na Chapada Diamantina. ANtes de ir, meu irmão baiano, Eládio Machado, me diz que existe um projeto chamado MUSAS em Salvador, eu que eu deveria ir conhecer. Decidi então, ao invés de chegar em Salvador e pegar um ônibus pra Chapada, ficaria uns 2 dias na capital baiana. Chego e vou direto pro Pelourinho, pra me hospedar num albergue. Depois de um passei pela região e todo barulho que tem em cada esquina, só queria ir embora da cidade. A impressão era de que as férias não tinham começado. No dia seguinte, resolvi ir visitar o MUSAS. Não quero me alongar muito, mas pra se ter uma idéia de como fez bem pra mim, acabei ficando 10 dias em Salvador. Além da agradabilíssima companhia de todos do MUSAS, que me adotaram, dia a dia fui me apaixonando pelo lugar, que tem talvez uma das vistas …

A Sereia que nada por Salvador

Quando eu morrer
Voltarei para buscar os instantes
Que não vivi junto ao mar
Nhem-nhem-nhem
Nhem-nhem-nhem
Ô xoronddô É o mar,é o mar
Fé-fé xorondô. (Vinicius de Moraes)
Pra quem nasceu a beira mar ,  criado no cheiro da maresia todo dia, e nos mariscos como sabor constante,para aqueles que quando filhotes  de ser humano esse nosso povo podre bebeu água sem querer sabe que  cada onda  tem uma sereia, cada amor um sal na boca...  dentro d´agua em rebanhos de sereias sempre penso que ela chega com as mantas de pititinga que me cerca ao mergulhar, as vez nem com a chuva forte e doce me traz o momento de abandonar o beijo salgado.. o povo semi nu deitado no colo dela sabe por causa da musica de todas as sereias nos ouvidos que somos donos da roma negra, na costa do nosso mar a sereia tem vários nomes Dandalunda, Janaína,Marabô,  Princesa de Aiocá Inaê, Sereia, Mucunã Maria, Dona Iemanjá e varias casas, no mês de março ela ta grande, e na lua da pra tirar os frutos de dentro dela... tão triste ver co…

Dia 23 de setembro impressões Julio Costa

Fim de linha da Massaranduba.

O nosso povo passa fome e eles com o malote, escutando raiz irredutível, no evento do fim de linha de massaranduba  Thais pensou que essa frase era diferente, nosso povo passa fome  e eles comem ”A LOT” ou seja eles comem tudo, eles quem? ,me perguntava eles quem? Já que nessa oração sabíamos bem quem era o povo e quem passava fome, mais quem comi tudo, quando soubermos e dissermos a todos quem come tudo acredito que algo ira acontecer, fim de linha fim do regime, logo contaremos essa historia, um bando de meninos homens dançando e celebrando a vida,  negros na sua maioria, como é comum só se vê na Bahia, só se vê  no brasil, só se vê na Africa, os exemplos de cada um  fazendo seu movimento em prol do que acredita, fortes tipicamente, característica da grande comunidade, bonitos de pele limpa, jovens sadios e com muita energia, lideres no que se propõem a fazer,  lindas por todos os cantos, e como é normal fortes, tremi de medo ao pensar na força que contr…